Santander

Categoria bancária reage às arbitrariedades do Santander com paralisação

01 Feb 2018 20 VISUALIZAÇÕES

O Dia 31 de janeiro foi marcado como um Dia Nacional de Luta da categoria bancária contra uma série de arbitrariedades que estão sendo praticadas pelo Santander em todo país. Nas cidades da base do Sindicato dos Bancários de Bragança, foi distribuído material informativo sobre a postura do banco espanhol que desrespeita a Convenção Coletiva de Trabalho em vigor, sem sequer consultar os funcionários ou seus representantes sindicais.

O Santander implantou um sistema para forçar seus funcionários a assinar um Acordo Individual de Banco de Horas Semestral. Além disso, o banco está orientando seus empregados a fazerem as homologações na própria agência e não mais no Sindicato.

Também sem nenhuma negociação, o banco informou a alteração do dia de pagamento dos salários, do dia 20 para o dia 30, e os meses de pagamento do 13º salário, antes março e novembro, agora passam a ser maio e dezembro.

“Os sindicatos de bancários estão protestando em todos país contra a arbitrariedade, o desrespeito do banco, que decidiu aplicar a as regras da reforma trabalhista, sem qualquer negociação com os trabalhadores”, lembrou Fernando Biasetto Jr, secretário-geral do Sindicato dos Bancários de Bragança Paulista e funcionário do Santander.

“Os trabalhadores também sofrem com os aumentos abusivos do plano de saúde, que tem causado dificuldades para muitos deles bancarem os custos. Outro problema constante no banco é o grande número de demissões. Houve dispensa no final do ano de 200 funcionários. Não bastasse tudo isso, o banco já informou que vai aplicar o parcelamento das férias”, conclui Marcílio Barros, diretor de imprensa do Sindicato, também funcionário do banco.