BMB
Bradesco
CEF
Itau
Santander

CUT reafirma que atos nesta sexta defenderão direitos e atacarão golpismo

11 Mar 2015 25 VISUALIZAÇÕES

Em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira (10), o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, voltou a apontar que os movimentos sindical e sociais irão às ruas nesta sexta-feira (13) para pressionar o governo a colocar na agenda política a pauta da classe trabalhadora e cobrar avanços nos direitos trabalhistas, na democracia e na reforma política.

Durante o encontro com presidentes de centrais sindicais, que aconteceu no Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé, em São Paulo, ele apontou a necessidade da presidenta Dilma Rousseff se posicionar ao lado dos trabalhadores para que tenha sustentação política nas ruas e faça as reformas necessárias para a continuidade do projeto de desenvolvimento com inclusão social.

“Queremos o comprometimento com a política de desenvolvimento e é isso que iremos forçar em nossas manifestações”, disse ressaltando o papel do Petrobrás como indutora do crescimento nacional dos últimos 12 anos.

Para Vagner, o governo precisa priorizar uma pauta que inclui a retirada das Medidas Provisórias 664 e 665, que restringe o acesso a direitos como o abono salarial e o seguro-desemprego. O cenário em que mudanças nesses pontos devem ser discutidas, apontou, é o Fórum Nacional de Previdência, com a presença de trabalhadores, empresários e o Executivo.

Além disso, Vagner disse que as mobilizações cobrarão do governo que coloque na mesa de negociação a redução da jornada para 40 horas semanais sem redução de salário, o fim do fator previdenciário e as convenções 151 e 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que garantem negociação no setor público e proíbem demissões imotivadas, respectivamente.

Outro ponto lembrado pelo dirigente da CUT e que estará na agenda das mobilizações foi a reforma política, com destaque para o fim do financiamento das campanhas eleitorais pelas empresas, que cobram a fatura dos eleitos em forma de projetos.

O presidente da CUT lembrou ainda que os movimentos sindical e sociais deixaram clara a diferença entre quem luta para ver a agenda do desenvolvimento cumprida e os que classificou como derrotados e intolerantes inconformados com as conquistas da classe trabalhadora.

Apesar de cobrar o governo, Vagner disse que a Central combaterá o retrocesso e qualquer golpismo com o objetivo de acabar com a normalidade democrática.

“O trabalhador brasileiro precisa ficar de olhos abertos e fazer comparação das diversas propostas políticas que existem. Questionamos a política econômica aplicada neste momento pelo governo e faremos propostas para alterá-la para gerar renda e para que os trabalhadores continuem tendo desenvolvimento. Mas não é isso que a onda conservadora está querendo fazer”, frisou.

“Esses que querem o impeachment da presidenta não estão preocupados com os trabalhadores e com o Brasil, mas só com um terceiro turno das eleições”, disse Vagner.