Santander

Santander demite e discrimina trabalhadores com deficiência

24 Oct 2022 54 VISUALIZAÇÕES

A direção do Santander mais uma vez demonstra seu desrespeito aos trabalhadores com deficiência. Além de estar promovendo um intenso processo de terceirização que irá rebaixar salários e retirar direitos, o banco espanhol está demitindo e discriminando empregados com deficiência.

Por causa da terceirização para a empresa SX Negócios, estão sendo executadas várias demissões das áreas de atendimento a cliente oriundas do Vila Santander Paulista, do prédio da Bráulio Gomes e da Torre Santander.

Com este movimento de bancários sendo terceirizados, já foram demitidos ao menos 10 trabalhadores com deficiências – este número refere-se somente às informações que chegaram ao conhecimento do Sindicato. Portanto, podem haver mais dispensas.
Discriminação

O Santander já não cumpre a Lei de Cotas (8.213/91). Para completar, os trabalhadores do banco com algum tipo de deficiência estão sendo tratados de forma discriminadora: eles estão sendo segregados dos demais empregados em uma sala localizada no térreo do Bairro Azul, no Radar.

“Uma situação revoltante. São trabalhadores e trabalhadoras mães e pais de famílias e que precisam trabalhar, mas não sabem se irão continuar bancários, se serão terceirizados ou demitidos. O sentimento é de indignação total pela forma de tratamento dada pelo banco, de discriminação e de exclusão”, relata a dirigente sindical e bancária do Santander Maria Cleide Queiroz, que também é coordenadora do coletivo nacional dos trabalhadores e das trabalhadoras com Deficiência da CUT
Santander prega uma coisa e na prática faz outra

Nesta semana, o Santander fez uma live da diversidade apresentando o “Portal da Diversidade”, que se propõe a ser uma plataforma inclusiva. Para promover a iniciativa, o banco está utilizando a hashtag “#HabilidadeNãoTemLimite” e o slogan “Como podemos ser mais inclusivos e trazer mais oportunidades?”.

“A resposta é simples, Santander: não demita, não terceirize e não discrimine. O banco faz propaganda da inclusão, mas exclui os trabalhadores em salas separadas dos outros trabalhadores. Portanto, diante desta situação o slogan mais adequado seria #MaldadeNaoTemLimite, não é, Santander?”, questiona Maria Cleide Queiroz.

O Sindicato cobra que estes trabalhadores sejam realocados em ambiente adequado no qual possam executar seu trabalho com a dignidade que merecem.

“O banco já foi questionado sobre esta situação, e deve oferecer melhores condições de trabalho e uma solução para esta situação lamentável e inaceitável a qual se encontram estes trabalhadores”, enfatiza Maria Cleide.

Fonte: SEEB SP